Gre-Nais históricos: O Clássico de Catimba

André Catimba encerrou os anos de sofrimento gremista e ficou marcado na história

Gre-Nais históricos: O Clássico de Catimba

 

Faltam apenas 2 dias para o primeiro clássico Gre-Nal da Libertadores. Em quase 111 anos de rivalidade, Inter e Grêmio já fizeram confrontos históricos. Um deles foi a final do Campeonato Gaúcho de 1977, partida que acabou com uma soberania colorada e eternizou um ídolo gremista.

O Inter chegava para o Gauchão de 77 em um de seus melhores momentos da história, o colorado era octacampeão gaúcho e bicampeão brasileiro. Naturalmente todo esse sucesso colorado deixava o lado gremista em crise, a pressão no tricolor para voltar a ser campeão era enorme. 

Em 1976 o Grêmio iniciou o planejamento para voltar a ganhar, o primeiro passo foi contratar o grande Telê Santana para ser o comandante do time. O Técnico campeão brasileiro em 71, teria carta branca para construir o time gremista a sua maneira. 

Para recuperar o título estadual, o Grêmio precisaria ser perfeito, desde o início do campeonato. A obsessão era não repetir erros dos anos anteriores. E o Tricolor chegaria a final com a melhor campanha. Ao todo, seriam 33 jogos disputados no campeonato, com 25 vitórias, cinco empates e três derrotas, Faltava só um jogo: a decisão contra o temido Inter. 

O Tricolor entrou em campo para a decisão com o seguinte time: Corbo; Eurico, Cassiá, Oberdan e Ladinho; Vitor Hugo, Tadeu Ricci, Iúra (Vílson) e Tarciso; André Catimba (Alcindo) e Éder. Técnico: Telê Santana

Já o Colorado estava escalado para a final da seguinte forma:

Benitez; Beretta (Jair), Marinho, Gardel e Vacaria; Caçapava, Batista, Escurinho e Valdomiro; Luizinho e Santos (Dadá Maravilha).

Desde o apito inicial o time de Telê mostrou sua ambição em campo, os jogadores gremistas estavam dando a sua vida em campo para sair com aquele título. Criando muito mais oportunidades de gols, o Grêmio teve sua chance de marcar em uma penalidade máxima. O maior ídolo daquele time foi para cobrança, Tarciso que até então nunca havia perdido um pênalti, acabou desperdiçando a chance. 

O time do Grêmio não desanimou ou freou o ímpeto de superar o Inter. Os gremistas estavam predestinados a virar a gangorra Gre-Nal naquela tarde. Ou se resignar de vez diante da supremacia do rival. E o papel de grande herói seria reservado ao centroavante baiano André Catimba.

Aos 42 minutos do primeiro tempo, Catimba recebeu dentro da área e estufou as redes com um belo chute, encerrando os anos de sofrimento gremista. 

 Torcedores do Grêmio começaram a invadir o campo, quando o árbitro Luís Torres assinalou uma infração de jogo. Ansiosos pelo apito final, o mar azul tomou conta do gramado do Olímpico.

A partida estava interrompida. E não mais recomeçaria. No vestiário, os jogadores do Inter alegaram que não mais tinham condições de atuar, e a decisão foi dada como encerrada. Iniciou então o carnaval tricolor.

Fim de jejum, o Grêmio vencia e conquistava um dos seus títulos mais marcantes de sua história.