Situação do Chile pode ser preocupante para Grêmio e Inter

Situação do Chile pode ser preocupante para Grêmio e Inter

O caos social que vive o Chile ainda é motivo de preocupação para Inter e Grêmio. Isso pois a Universidad Católica está no Grupo E, que conta com o Grêmio e pode contar também com o Internacional, caso vença o Tolima. Neste domingo, a Católica disputou o clássico com o Colo-Colo, que precisou ser interrompido devido aos atos de vandalismo vindos das arquibancadas. 

Enquanto o jogo rolava, a torcida do Colo-Colo enfrentava a polícia nas arquibancadas. No segundo tempo, quando a Católica vencia por 2 a 0, eram arremessados diversos objetos em direção ao gramado, como rojões e sinalizadores. Um desses objetos atingiu o centroavante Blandi, que ficou caído no gramado e recebeu atendimento médico. Aos 35 do segundo tempo, em razão do clima hostil, o árbitro decidiu por encerrar a partida. 

Esse clima de violência também foi vivido pelo Internacional, durante o jogo contra a Universidad de Chile. Durante a partida, alguns objetos foram arremessados ao gramado em direção aos jogadores. Além disso, alguns torcedores atearam fogo em um dos setores do estádio. Em nenhum momento a partida foi interrompida. A situação também preocupava o Grêmio, que poderia enfrentar a La U caso passasse de fase na Libertadores. 

A Conmebol não se manifestou sobre a situação chilena até o momento. Porém, caso a situação continue tensa no país, jogos poderão ser realizados com portões fechados ou até mesmo fora de Santiago, Colo-Colo e Universidad Católica já estão garantidos na fase de grupos, enquanto o Palestino ainda está na Pré-Libertadores.

Caso o Inter avance, os gaúchos viajarão 2 vezes para o Chile. O Grêmio viaja na terceira rodada, marcada para o dia 18 de março, enquanto o Inter pode enfrentar a Católica na última rodada, no dia 7 de maio.