segunda-feira, 03/08/2020
Início Colorado Três motivos para a melhora no Inter

Três motivos para a melhora no Inter

O Internacional encontrava-se com um bom futebol antes da parada, sendo líder isolado no Grupo A do Campeonato Gaúcho e encabeçando o Grupo E da Libertadores, com uma bela vitória sobre a Universidad Católica e um empate em que foi superior contra o Grêmio. O Inter estava bem. Jogava bem. A torcida acreditava no time.

Então veio a pandemia e os cerca de 130 dias de paralisação. Todos sabiam que haveria defasagem física, mas não esperava-se que o Inter fosse desaprender a jogar futebol. Bom, nas duas primeiras partidas – contra Grêmio e Esportivo – foi o que pareceu. Muitos erros de passe, movimentação ruim, poucas chances e poucos chutes. Até mesmo a pressão ofensiva, que Eduardo Coudet aplicou desde sua estreia, estava abaixo do esperado.

Na sua terceira partida, uma semana após a retomada do futebol, o Internacional enfim conseguiu três pontos e jogou bem o suficiente para restaurar a esperança em sua torcida. Houve uma melhora significativa e o colorado mostrava as caras de Coudet novamente. O que houve dos dois primeiros jogos até então?

O gramado

Sim, é um clichê e, sim, o gramado é o mesmo para as duas equipes em campo, mas há um motivo para ela afetar mais o Inter que seus adversários até então: o estilo de jogo. A equipe de Coudet projeta-se para o campo de ataque a todos os momentos, com uma movimentação rápida e constante pressão ofensiva. A equipe de Coudet constrói jogo a todos os momentos e raramente encontra-se como destrutiva.

Com um gramado em condição ruim – e vimos isto em Caxias do Sul e em Bento Gonçalves -, é mais fácil destruir que construir. Essa frase não pertence apenas a Eduardo Coudet, mas também foi proferida por Renato Portaluppi ao elogiar o gramado do CT Hélio Dourado no último domingo. É difícil estabelecer suas ideias ofensivas em um gramado que não as permite.

Para o jogo contra o Aimoré, o Inter conseguiu a liberação do CT de Alvorada – a Morada dos Quero-Queros – e teve à sua disposição um gramado excelente. Foi possível enxergar a pressão ofensiva desde os primeiros minutos. Os passes rápidos foram um aspecto primordial do confronto e o reflexo foi o total de 25 finalizações da equipe. Para aspecto de comparação, nos últimos dois jogos combinados foram 15.

Mas, claro, não adianta em nada ter um belo gramado e não o preencher com peças e ideias boas. Seguindo na lista!

Thiago Galhardo

Se ainda não estava claro, Thiago Galhardo é titular. Absoluto. Já havia conquistado a posição antes da parada e agora volta a ser o dono da vaga ao lado de Paolo Guerrero. Mais ofensivo que D’Alessandro e Sarrafiore – os iniciais nas duas outras partidas -, Galhardo consegue oferecer uma movimentação muito mais coesa ao ataque, fazendo pressão pelo lado direito, ocupando a defesa quando há um ataque e ainda libera Guerrero para fazer o que quer. E isto é apenas um dos casos.

A característica principal de Galhardo é justamente ser mais móvel que o camisa 9, então geralmente é ele quem aproveita os espaços deixados por Guerrero, que se encarrega da defesa adversária. Na partida contra o Aimoré, vimos uma fluidez muito grande pelo lado direito. Em determinado lance, Galhardo organizou uma trama com Marcos Guilherme e por pouco não saiu o gol colorado.

O próprio lance do primeiro gol é um reflexo da importância de Thiago Galhardo. O atacante subiu pela esquerda e recuperou uma bola que facilmente seria perdida. Guerrero avançou pelo meio e recebeu o passe açucarado de Galhardo.

Para esclarecer ainda mais, um lance no início do segundo tempo escancara a movimentação quase que excessiva do camisa 17. Enquanto o Inter iniciava um ataque pela direita, Musto perde a bola e começa então, um pouco atrás da linha do meio-campo, o ataque do Aimoré. Galhardo era o jogador mais à frente e, à medida que a bola girava em direção à área colorada, o atacante disparou para a defesa, cruzando uma diagonal completa do campo. Ao lado de Moisés, o Inter retoma a posse de bola, Galhardo, ainda na defesa, dribla um jogador e já projeta o jogo para frente, iniciando um contra-ataque. O atacante serve Paolo Guerrero, que cruza o restante do campo e acaba errando o passe final. Eis aqui mais uma amostragem da potencialização e da movimentação de Thiago Galhardo.

Bruno Fuchs e a fluidez defensiva

Ao longo das primeiras duas partidas, o Internacional teve dificuldades em tirar a bola do sistema defensivo. A falta de ritmo é o maior empecilho nesta área, mas é inegável que a entrada de Bruno Fuchs na linha de trás melhorou o time significativamente.

Enquanto nos jogos contra o Grêmio e contra o Esportivo os recuos foram excessivos e contaram com muitas bolas passando por Lomba, na partida contra o Aimoré houve uma horizontalização na saída de bola. A bola girava de maneira fluida e, mais importante, com objetividade. Este é o ponto que tanto irrita torcedores e o treinador Eduardo Coudet quando há muitos recuos: falta de objetividade.

Não se enganem, a falta de ritmo ainda esteve presente. Tanto Cuesta como Bruno Fuchs erraram lançamentos e não funcionaram em total harmonia com Rodrigo Lindoso, mas foi melhor. Quando vemos os melhores momentos e a minutagem começa já com a bola no ataque, é difícil enxergar a importância da base da construção da jogada, mas vale reiterar: a bola girou; houve fluidez

Partindo de uma defesa organizada, o restante dos jogadores ocupam-se com suas funções e, por consequência, conseguem ter um desempenho melhor. Não é à toa que o Inter consegue subir com até seis jogadores para o campo de ataque e efetuar a marcação alta com pressão. É a defesa que possibilita a presença ofensiva constante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

mais lidas

Especial: Jogadores Vira-Casaca na década de 90

Na primeira parte desta matéria mostramos os 25 jogadores que viraram a casaca no século 21. Agora, chegou a vez dos anos 90, que...

Desenvolvedores criam mapa de corrida de carro baseado em Porto Alegre

Já pensou em disputar uma corrida de carro na orla do Guaíba? Ou então passear em alta velocidade pelo Beira-Rio e Arena do Grêmio?...

Deu Tudo Errado: Leandro, o especialista

Muitas vezes o que parece ser o início de um sonho pode acabar dando tudo errado. Quem é torcedor sempre sonha com um título,...

Jogadores do Grêmio publicam nota conjunta: “Nos respeitem!”

Após o Grêmio divulgar o adiamento de parte dos vencimentos dos jogadores, os atletas tricolores foram às redes sociais comentar sobre o assunto. Publicaram...