segunda-feira, 03/08/2020
Início Colorado Victor Cuesta: "O D'Ale tem me ensinado muito e tento seguir os...

Victor Cuesta: “O D’Ale tem me ensinado muito e tento seguir os passos dele”

Nas preparações finais para a fase final do Campeonato Gaúcho, o zagueiro Victor Cuesta concedeu uma breve entrevista coletiva remota e respondeu sobre algumas pendências do clube. O argentino ressaltou a importância de ter o Beira-Rio à disposição e afirmou que deve manter a parceria com Bruno Fuchs na defesa.

No momento da coletiva, ainda não estava definido o mando de campo e Cuesta relatou: “A gente sabe que é muito forte jogando na nossa casa, ou jogando pelo menos em um campo bom. A gente viu no último jogo, no CT, que fizemos uma boa partida. Esperamos poder atuar na nossa casa, no Beira-Rio.”

O zagueiro defende que a equipe precisa manter-se ativa com as competições e adquirir ritmo de jogo. “A gente fez uma boa pré-temporada, mas o que te dá o ritmo são os jogos. Aos poucos, vamos ficando mais perto do que queremos fazer dentro de campo“, completou Cuesta.

Perguntado sobre o maior clássico do estado, o argentino não escondeu a verdade: “Fazem oito grenais que a gente não ganha, então queremos muito vencer. Fizemos frente no Gre-Nal e infelizmente não vencemos. Primeiro tem uma semifinal e, depois, se Deus quiser, pensar no Gre-Nal.

Na reta final, Cuesta foi perguntado sobre dois companheiros. Primeiro, a pergunta foi sobre seu parceiro na defesa, Bruno Fuchs, e o argentino respondeu que fez grandes jogos ao lado do garoto. “Em seis jogos da Libertadores não tomamos gol. Claro, não significa que só nós defendemos, mas estamos nos entrosando. Precisamos manter desta forma, temos um ataque muito forte e nós que damos a base lá atrás.”, completou.

O segundo jogador sobre o qual Cuesta foi perguntado foi seu compatriota D’Alessandro. Na partida contra o Aimoré, D’Ale saiu do banco e se recusou a receber a braçadeira de capitão. “Eu tentei dar [a braçadeira] porque o D’Ale é o nosso capitão há muito tempo, achei que tinha que dar para ele. Ele disse que não, que eu podia ficar coma braçadeira. Foi uma atitude muito boa da parte dele. A gente sabe o que ele significa para o clube e para nós. Dentro e fora do campo ele é muito importante.”, comentou o zagueiro que ainda emendou sobre a sensação de atuar como capitão da equipe: “Muito gratificante. Tem passado muitos líderes por aqui e mesmo sem a braçadeira tenho tentado ajudar o grupo, dentro e fora do campo. O D’Ale tem me ensinado muito e tento seguir os passos dele.”

Para a partida contra o Esportivo, que acontecerá neste domingo às 16h, no Estádio Beira-Rio, Eduardo Coudet poderá contar com Cuesta, mas o zagueiro está pendurado e, caso recebe mais um amarelo, ficará de fora da final da Taça Francisco Novelletto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

mais lidas

Especial: Jogadores Vira-Casaca na década de 90

Na primeira parte desta matéria mostramos os 25 jogadores que viraram a casaca no século 21. Agora, chegou a vez dos anos 90, que...

Desenvolvedores criam mapa de corrida de carro baseado em Porto Alegre

Já pensou em disputar uma corrida de carro na orla do Guaíba? Ou então passear em alta velocidade pelo Beira-Rio e Arena do Grêmio?...

Deu Tudo Errado: Leandro, o especialista

Muitas vezes o que parece ser o início de um sonho pode acabar dando tudo errado. Quem é torcedor sempre sonha com um título,...

Jogadores do Grêmio publicam nota conjunta: “Nos respeitem!”

Após o Grêmio divulgar o adiamento de parte dos vencimentos dos jogadores, os atletas tricolores foram às redes sociais comentar sobre o assunto. Publicaram...