sexta-feira, 18/09/2020
Início Colorado Báu do Bairrista: A estreia mundial de Pato no Inter

Báu do Bairrista: A estreia mundial de Pato no Inter

Após conquistar a Libertadores da América em cima do São Paulo, Abel Braga teria outro grande trabalho pela frente. Com as saídas de Bolívar, Jorge Wagner, Tinga e Rafael Sobis, o Inter perderia grande parte de sua base titular, e o técnico colorado teria que correr contra o tempo para formar uma nova equipe. Em menos de 4 meses, Abel realizou um belo trabalho e não deixou sua equipe sentir a falta de jogadores tão importantes: Índio, Rubens Cardoso e Wellington Monteiro substituíram muito bem os ídolos campeões da América que partiram para a Europa. Porém, ainda faltava encontrar o substituto do jogador mais importante contra o São Paulo, Rafael Sobis que marcaria 2 gols na final, ainda fazia muita falta para o time colorado. Assim como Sobis que saiu da base para brilhar na final da Libertadores, o Inter teria seu substituto também no seu celeiro de ases.

Escondido a sete chaves para a torcida colorada e para o mundo, porém muito conhecido nos treinos, Alexandre Pato mostrava para a comissão técnica que seu talento era raro, e que já estava pronto para enfrentar o Barcelona e bater de frente com Puyol. Porém, o garoto precisava estrear no time profissional, estreia que a direção colorada adiou muito, por conta de não acertar com o empresário do atacante a sua renovação de contrato. Com o seu vínculo perto de acabar com o Inter, Fernando Carvalho temia perder o jogador por um valor baixo.

O problema foi resolvido no dia 23 de novembro, naquela quinta-feira, a jovem estrela renovou seu contrato com o Inter até 2009. O salário passou de R$ 2 para R$ 15 mil e, além disso, tornou-se dono de 50% de seus direitos federativos. Mas seria tarde demais? Pato teria poucas oportunidades no time profissional antes da viagem ao Japão, o atacante conseguiria se adaptar ao time em tão pouco tempo? Bom, na verdade, Alexandre Pato precisou de apenas 1 minuto para tabelar com Fernandão, sair na cara de Diego Cavalieri, e abrir o placar contra o Palmeiras.

26 de novembro de 2006, era um domingo nublado em São Paulo e faltavam apenas 17 dias para a estreia do Inter no Mundial. A equipe de Abel Braga aproveitava o campeonato brasileiro para realizar seus últimos testes antes da viagem ao Japão. O desafio da vez era o Palmeiras, no Palestra Itália, e três dias depois de renovar seu contrato, Pato viria a ter sua estreia no elenco profissional. E como dito anteriormente, Alexandre Pato precisou de apenas 1 minuto para tabelar com Fernandão, sair na cara de Diego Cavalieri, e abrir o placar contra o Palmeiras.

Seu talento contagiou a todos, e minutos depois, Fernandão ampliaria para o Inter, 2 a 0 em menos de 10 minutos de partida. Após acertar a trave com um cabeceio forte, Pato recebeu novamente de Fernandão, e com a maior tranquilidade do mundo, tocou por cima do goleiro. Seria o seu segundo gol na partida, mas na tentativa de afastar, o zagueiro palmeirense mandou a bola para a rede, fazendo gol contra e tirando o golaço da jovem estrela colorada. Sendo seu o gol ou não, nada impediria o atacante de comemorar e agradecer a sua mãe, “Mãe eu te amo” dizia o menino em frente a câmera, com um sorriso no rosto que revelava ao mundo. Ao fim da primeira etapa, a estrela da partida recebeu uma bola longa na lateral, porém, com um giro perfeito sobre o marcador, o atacante invadiu a área palmeirense e ultrapassou mais dois zagueiros, e na saída do goleiro, passou para Iarley marcar o quarto gol do Inter. Era uma goleada em 45 minutos, era um novo titular e ídolo em 45 minutos, dos quatro gols colorados, Pato teria participação fundamental em três deles.

Com a atuação espetacular, Alexandre Pato mostrou para o Brasil o que o Inter já sabia, o seu talento gigantesco, e a promessa que a seleção brasileira contaria com mais um craque. Apesar do ótimo desempenho, existia a dúvida de tornar o jovem de apenas 17 anos, como titular na disputa do maior campeonato da história do Internacional. Porém, nos treinamentos do Beira-Rio, Abel Braga se encantava cada vez mais, e pouco tempo depois chegou até mesmo declarar: “Tudo o que é difícil, o Pato transforma em fácil, tamanho a sua qualidade técnica”. Sendo dessa forma que a joia colorada se tornou oficialmente o último substituto do time campeão da América, o atacante herdaria a camisa 11 de Rafael Sobis e defenderia o Inter como titular no Mundial.

Antes de uma possível final contra o temido Barcelona, o adversário era o forte Al Ahly do Egito. Em uma partida em que o Inter era o favorito, certamente a equipe de Abel precisaria da experiência de seus jogadores para chegar até a final, mas novamente, foi Pato surpreendeu a todos. O jogador mostrou a mesma frieza que teve contra o Palmeiras, e na única oportunidade que teve, abriu o placar. Além do gol, o atacante mostrou seu talento em um lance que ficou marcado na conquista colorada, em uma narração histórica de Galvão Bueno “olha a graça, olha a graça do menino” o narrador iria ao êxtase ao ver a jovem estrela levando o Inter para o ataque fazendo “embaixadinhas com o ombro”. O adversário ainda empataria o jogo, mas no fim, outro jovem da base marcaria e levaria o colorado para final, Luiz Adriano de cabeça, colocava o Inter para enfrentar o Barcelona.

17 de dezembro, 21 dias depois de estrear contra o Palmeiras, Alexandre Pato de somente 17 anos, participava do maior jogo da história do Internacional. Além do peso coletivo de participar dessa final, o atacante teria um confronto individual de afrontar qualquer jogador experiente, o zagueiro Carlos Puyol. Porém, em um dos primeiros lances da partida, Pato partiu pra cima do espanhol e passou por ele com sucesso, mesmo sem ter acertado a finalização, a jovem estrela já mostrava que não se sentiria intimidado com aquela partida. Substituído por cansaço, o garoto viu do banco o contra-ataque orquestrado por Iarley e a finalização precisa de Gabiru, Inter 1 a 0, e Pato campeão mundial.

Após ser Campeão do Mundo, Pato se despediria do Inter sendo Campeão da Recopa contra o Pachuca do México, vendido pelo valor de 24 milhões para o Milan, o atacante marcou 12 gols com a camisa colorada em 27 partidas.

Atualmente, o atacante defende o São Paulo. Depois de ter defendido clube como Milan, Chelsea, Corinthians e com uma passagem pelo futebol chines, para muitos Pato não se tornou o que todos o esperavam dele, porém, no Inter, Alexandre Pato foi um fenômeno nunca antes visto na história do clube.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

mais lidas

Especial: Jogadores Vira-Casaca na década de 90

Na primeira parte desta matéria mostramos os 25 jogadores que viraram a casaca no século 21. Agora, chegou a vez dos anos 90, que...

Desenvolvedores criam mapa de corrida de carro baseado em Porto Alegre

Já pensou em disputar uma corrida de carro na orla do Guaíba? Ou então passear em alta velocidade pelo Beira-Rio e Arena do Grêmio?...

Jogadores do Grêmio publicam nota conjunta: “Nos respeitem!”

Após o Grêmio divulgar o adiamento de parte dos vencimentos dos jogadores, os atletas tricolores foram às redes sociais comentar sobre o assunto. Publicaram...

Jogo do Grêmio terá narração de Luiz Alano e comentários de Mauro Galvão. Saiba mais:

Já está definida a escala do SBT para o confronto do Grêmio na Libertadores nesta quarta, às 21:30, contra a Universidad Católica. O narrador...