quinta-feira, 04/06/2020
Início Futebol Gaúcho Baú do Bairrista: O ano da volta do Juventude

Baú do Bairrista: O ano da volta do Juventude

O Juventude iniciou a década em seu pior momento da história, campeão da Copa do Brasil em 1999, o clube da serra em 2011 estava afundado na Série D, após rebaixamentos seguidos por competições nacionais. A volta do orgulho para o Papo se iniciou justamente em 2013, no ano do centenário do clube. O planejamento para um ano bem sucedido em 2013, começou na segunda metade de 2012. Após ser eliminado da Série D e ficar sem vaga para a disputa nacional do ano seguinte, Lisca doido chegou ao clube pressionado para conquistar a Copa FGF, o título daria vaga ao Juventude para disputar novamente a quarta divisão no ano seguinte. E em uma final vibrante contra o Brasil de Pelotas, o Jaconero se sagrou bicampeão da competição, iniciando a caminhada para o centenário.

100 anos de Juventude, um novo ano era iniciado cercado de expectativas gigantes entre os torcedores e a imprensa. O Papo tinha como principal objetivo conquistar o acesso para a Série C, mas o campeonato gaúcho era decisivo para criar um elo de confiança com a torcida. Porém, a temporada começou tensa para a equipe de Lisca. O Juventude não se acertou no início e ficou de fora do mata-mata pela Taça Piratini, deixando o clube pressionado para a Taça Farroupilha.

Porém, mesmo pressionado, foi no segundo turno do Gauchão que o ano começou a brilhar para o clube. O primeiro sinal de que o ano do centenário seria especial, foi nas semifinais em um duelo contra o Grêmio de Vanderlei Luxemburgo. Em um jogo eletrizante no Alfredo Jaconi, o Juventude de forma emocionante eliminou o tricolor nas penalidades máxima, para delírio de Lisca e toda papada.

Juventude fez grande partida contra o Grêmio

Agora a decisão era contra o Inter de D’alessandro, Forlan e Dunga. A equipe de Lisca precisava vencer o confronto para ser campeã do turno e forçar uma final contra o mesmo Inter. Novamente, em um jogo eletrizante, o Jaconero mostrou sua força, chegando até mesmo abrir o placar aos 10 minutos com o experiente Rafael Pereira, porém o gol foi mal anulado por Márcio Chagas. No decorrer do jogo, a partida continuou equilibrada, com chances para ambas as equipes, resultando em um empate por 0 a 0 no tempo normal. Nas penalidades máximas, diferente do confronto contra o Grêmio, o Juventude foi derrotado pelo Inter, mas nada que abalasse a moral do clube para o decorrer da temporada.

Juventude e Inter fizeram grande final

O Juventude estreou na competição mais importante do ano vencendo o Penapolense por 2 a 1, vitória que marcaria a boa classificação do clube na primeira fase do campeonato. Lisca classificou o Papo paras as oitavas de finais na 1° colocação do Grupo A7 com 15 pontos ganhos, em 8 partidas foram 5 vitórias e 3 derrotas.

Juventude brilhou na primeira fase

Após a boa classificação na primeira fase, os jogos mais importantes para o centenário do clube estavam por vir, o mata-mata. O mês de setembro de 2013 iria definir se a temporada seria boa ou não para o clube, em 15 dias o Juventude decidiria estar na Série C de 2014, ou passar por mais um ano na quarta divisão do futebol brasileiro.

O Juventude não teria moleza para conquistar o acesso, o primeiro adversário no mata-mata foi o forte Londrina do Paraná. No jogo de ida, no estádio do café, o Jaconero foi derrotado pelo placar de 1 a 0, sendo obrigado a virar o jogo na partida de volta, no Alfredo Jaconi. A semana foi cercada de expectativa na serra gaúcha, a papada reunia suas energias positivas para influenciar o time na virada, e no fim, presenciaram um jogo histórico.

Até aos 42 minutos do segundo tempo, a equipe de Lisca estava dando adeus ao sonho de conquistar o acesso no ano do centenário, mas de forma heroica, o ídolo da papada, Zulu, mudou a história.

O Juventude fez seu papel de mandante e pressionou o Londrina desde o início do jogo, abrindo o placar aos 20 minutos com Rafael Pereira. O gol só serviu de motivação para a equipe de Lisca continuar pressionando o rival paranaense, em busca do gol da classificação. O primeiro tempo terminou com forte domínio dos donos da casa, e o início da segunda etapa seria da mesma forma. No primeiro lance, Diogo Oliveira lançou Zulu que saiu na cara do gol, e foi parado pelo goleiro Danilo, que defendia o Londrina antes de brilhar pela Chapecoense. Porém, quem perde muitas chances, sempre corre o risco de se complicar na partida, e foi o que aconteceu. Aos 23 minutos do segundo tempo, Gerley furou e Celsinho empatou a partida. Naquele momento do jogo, o Juventude precisava de dois gols para avançar de fase.

A injustiça é cotidiana no futebol, mas naquele domingo em Caxias, no Alfredo Jaconi, a justiça teria que ser feita. Aos 42 minutos, Zulo de pênalti colocou o Juventude na frente, e o Jaconero teria poucos minutos para conquistar uma vitória épica e ‘salvar’ o centenário. E na base do abafa, após lançamento na área, Brenner disputou o lance e a bola sobrou para Zulu, que mandou para as redes, fazendo o Alfredo Jaconi explodir de alegria.

Vitória histórica contra o Londrina marcou o acesso do Juventude

A classificação histórica garantiu uma conexão especial entre a torcida e aquela equipe, Rafael Pereira, Diogo Oliveira, Zulu, Brenner e o técnico Lisca já eram ídolos da torcida, mas ainda faltava um obstáculo. Restavam dois jogos para o Juventude conquistar o seu objetivo, e dessa vez, o adversário era o Metropolitano, de Santa Catarina.

Quatro gols, dois cartões amarelos e duas expulsões. O que não faltou foi emoção no primeiro embate entre Metropolitano e Juventude. A classificação para a Série C por pouco não foi ‘conquistada’ em Santa Catarina. Aos 34 minutos do segundo tempo, a equipe de Lisca vencia o rival por 2 a 1, mas em uma cobrança de falta, o Metropolitano conseguiu empatar o jogo.

Na partida decisiva de volta, os atletas do Ju levavam consigo o peso do clube estar na Série D há 3 temporadas, o que poderia ser uma pressão enorme, mas a papada lotou o estádio, dividindo a responsabilidade com os jogadores.

Foi um jogo difícil, truncado, com chances para os dois lados. O confronto no Jaconi ganhou proporções dramáticas no final da partida, a partir de um lance de muito perigo para o time de Santa Catarina, que quase marcou o gol. Em um rápido contra-ataque aos 33 minutos do segundo tempo, Alessandro encontrou Jones pela esquerda, que lançou Edmar. Livre, ele driblou o goleiro Fernando e tocou para o gol. Porém, o volante Chicão apareceu para salvar em cima da linha, salvando o Ju.

Após o apito final, acabou o sofrimento e começou a festa. O centenário estava realizado, O ano de 2013 estava trazendo de volta o orgulho para a imensa torcedora do Juventude. Lisca e seus jogadores comemoraram muito com a torcida, que até mesmo invadiu o campo. Certamente não foi jogo mais importante da história de um clube que já foi Campeão da Copa do Brasil, mas a comemoração da torcida pelo acesso à Série C, mostra que o futebol é feito por amor.

“Acabou o sofrimento, acabou o peso. É muito pesado jogar a Série D. O Juventude é um clube que tem uma história maravilhosa, não poderia estar na terceira divisão. O clube penou, ficou um período sem série, mas ainda está longe de seu caminho. Ainda tem de trabalhar muito. Espero que isso inspire cada vez mais a diretoria e os jogadores. Toda responsabilidade era nossa. Talvez este tenha sido um dos jogos mais nervosos da minha carreira. O grupo não poderia deixar passar. Era tudo que sonhávamos” – destacou Lisca emocionado, ao fim da partida.

Lisca comemorando o acesso para a Série C

O Juventude ainda golearia o Tupi por 4 a 0, se classificando para a final do campeonato, conquistando a chance de colocar uma cereja no bolo do centenário. Na final, contra o Botafogo da Paraíba, o Ju venceu na Arena do Grêmio por 2 a 1 (partida não foi realizada no Alfredo Jaconi devido ao regulamento da competição), e dependia de apenas um empate para conquistar o título. Porém, na Paraíba, o Jaconero não suportou a pressão do rival e acabou perdendo o jogo, mas pouco importava, o Juventude estava de volta. O ano do centenário foi um sucesso, 2013 ficará para sempre marcado no coração dos torcedores apaixonados do clube.

Juventude enfrentou o Botafogo-PA na Arena do Grêmio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

mais lidas

Especial: Jogadores Vira-Casaca na década de 90

Na primeira parte desta matéria mostramos os 25 jogadores que viraram a casaca no século 21. Agora, chegou a vez dos anos 90, que...

Desenvolvedores criam mapa de corrida de carro baseado em Porto Alegre

Já pensou em disputar uma corrida de carro na orla do Guaíba? Ou então passear em alta velocidade pelo Beira-Rio e Arena do Grêmio?...

Terça-feira marcada por treinamentos físicos no CT Luiz Carvalho

Nesta terça-feira o foco do treinamento gremista no CT Luiz Carvalho é o trabalho de musculação e atividades aeróbicas. os jogadores foram orientados pela...

Guia do Elenco: O Gauchão de 77

A década de 70 com certeza foi uma das mais sofridas para o torcedor gremista, os tricolores tiveram que se acostumar a ver o...