sábado, 26/09/2020
Início Colorado Morre Bira, campeão invicto em 1979

Morre Bira, campeão invicto em 1979

O Internacional divulgou hoje o falecimento de Ubiratan Espírito Santo, mais conhecido como Bira Burro. O ex-centroavante foi titular na campanha de 1979, em que o colorado se sagrou campeão invicto do Brasileirão. Bira tinha 65 anos e lutava contra um câncer. O óbito aconteceu em Belém do Pará.

Muitos não sabem, mas a origem do apelido “Bira Burro” está atrelado à sua vinda ao colorado. Na época artilheiro do Campeonato Paranaense pelo Remo, Bira recebeu propostas vantajosas no Inter de Falcão e do Flamengo de Zico. O centroavante contrariou a todos e escolheu vir ao Rio Grande do Sul, recebendo o apelido de Burro pela crônica esportiva carioca.

Chegando ao Sul, Bira rapidamente tornou-se amigo de Falcão e de Batista. A partir dessas amizades, o atacante conheceu uma personagem importante na sua vida: Dona Delmira, mãe de Batista. Em entrevista à Rádio Guaíba, Bira detalhou sua chegada à Porto Alegre:

Quando cheguei ao Inter, fiquei apavorado quando recebi meu primeiro salário. Era uma dinheirama incrível. O Falcão veio falar comigo e perguntou o que eu ia fazer com a grana. Respondi que ia gastar, ué. O Falcão me falou super-educadamente que eu precisava de alguém para cuidar de mim. Passou dois dias e me ligou a Dona Delmira, mãe do Batista, me convidando para almoçar. Durante o almoço, ela começou a fazer um monte de perguntas: “Meu filho, quanto tu ganha no Inter?”, “O que vai fazer com os bichos por vitória?”, “Tu sabe que a vida de jogador é curta?”. Me deu um monte de lição de moral e mandou eu lhe dar toda a grana que eu ganhava.

Ela passou a mandar em mim, era minha empresária. Olha, a Dona Delmira me deixava à míngua! Eu almoçava na casa dela e ela me deixava o dinheiro justo para eu ir treinar e para pequenos gastos. Um dia, ela escolheu um apartamento para mim e disse: “É lá que tu vai morar, Bira. É um lugar que está valorizando. Um bom negócio.” E foi assim que eu arranjei uma mãe gaúcha. Uma baita mãe. Era dureza, mas eu obedecia.

Não fosse ela, o Falcão e o Batista, eu não teria uma filha advogada e um filho administrador de empresas. Teria jogado tudo fora. É gozado como as coisas acontecem. Depois eu me machuquei, fui para outros clubes, rodei o país, mas aprendi a me preparar para o futuro.”

Relato resgatado no blog Arquibancada Colorada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

mais lidas

Especial: Jogadores Vira-Casaca na década de 90

Na primeira parte desta matéria mostramos os 25 jogadores que viraram a casaca no século 21. Agora, chegou a vez dos anos 90, que...

Desenvolvedores criam mapa de corrida de carro baseado em Porto Alegre

Já pensou em disputar uma corrida de carro na orla do Guaíba? Ou então passear em alta velocidade pelo Beira-Rio e Arena do Grêmio?...

Jogadores do Grêmio publicam nota conjunta: “Nos respeitem!”

Após o Grêmio divulgar o adiamento de parte dos vencimentos dos jogadores, os atletas tricolores foram às redes sociais comentar sobre o assunto. Publicaram...

Jogo do Grêmio terá narração de Luiz Alano e comentários de Mauro Galvão. Saiba mais:

Já está definida a escala do SBT para o confronto do Grêmio na Libertadores nesta quarta, às 21:30, contra a Universidad Católica. O narrador...